Tempo

Carlos Hades

Quisera eu tê-lo, quisera eu vivê-lo.

Quisera eu saber doma-lo e mesmo assim aprecia-lo.

Quem me dera saber aproveitar, e que ao meu bel prazer poder adiante passa-lo.

Ou ainda viver, amar e não perdê-lo.

 

Quisera eu que com natureza soubesse apreciar.

Que o meu e os seus olhos, em breve irão se turvar.

Que os nossos cabelos também  vão se esbranquiçar.

Que aqueles que amamos, ao olharmos, notaremos que eles já não vão estar.

 

O irônico é que eu acho linda sua passagem e maravilhoso aquilo que ele traz.

Como uma correnteza que leva a água do rio ao mar e reflete o lindo entardecer.

Nos faz sentir uma imensa saudade daquilo que não se fez ou não se faz.

E nesse xadrez contra o tempo, vejo você, vejo meus pais e tenho medo de ser o primeiro a perder.

 

 

  • Autor: Hades (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 23 de agosto de 2020 15:44
  • Comentário do autor sobre o poema: Tempo, relatividade, gravidade e velocidade. Mas no final tempo, rima com sentimento.
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações: 75

Comentários4

  • Adrian Nilo

    Tão reflexivo.

    • Carlos Hades

      E angustiante a ação do tempo

    • JAIR SAYD FERREIRA

      A imagem da ampulheta combinou perfeitamente com o título de sua linda expressão escrita.

    • Edla Marinho

      Boa tarde, poeta.
      Reflexão gostosa esse seu poema.
      O tempo, senhor de quase tudo.
      Meu abraço.

      • Carlos Hades

        Isso Edla
        inclusive é nosso implacável vingador

      • Hébron

        Muito bom ler sua poesia!
        Bonita e de conteúdo interessante.
        O tempo é um enigma do tamanho do universo...
        Abraço

        • Carlos Hades

          Isso meu amigo, ele pode ser até mesmo a essência dele



        Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.