Joca Silveira

o deus inocente

sempre turbulência
do subir ao descer
ponham suas máscaras
apertem as amarras
sufoquem a mudez assombrosa
sofram de explosão incontida
calem as vozes do mundo
fechem os olhos da vida
cessem a chama abrasadora
sumam no vácuo sombrio
retornem ao antes de ser
deixem de
de
com quem falava mesmo?

Comentários1

  • IF

    Se não se importar, gostaria de dizer o que pensei ao ler.
    Minha primeira leitura foi rápida e assim o título virou O adeus inocente. Imaginei um avião, ele está caindo, choca-se contra algo, uma grande explosão, não há sobreviventes...
    E então preciso reler. O título é O deus inocente. Vejo, então, vida, sofrimento, morte e um título irônico. Talvez não seja nada disso, mas gostei de ambos, imagens e sentimentos que o poema me trouxe. Obrigada.

    • Joca Silveira

      Devo dizer que dissecasse o poema muito bem. Heráclito diz que Deus é uma criança inocente, que apenas brinca com o destino das coisas. Que louco se fosse mesmo assim...



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.