O aprendiz

Arthur, o último dos meus moicanos


Aviso de ausência de O aprendiz
NO

 

Arthur, meu filho
Tu levas o nome
Que eu gostaria de ter
E não o tenho
Porque Almerinda, minha tia e madrinha
Achando que para nomear-me, poderes tinha
Foi ao cartório, ao meio dia aberto
E me registrou como Paulo Roberto
E assim podes entender
Porque te chamas Arthur
Arthur, o último dos meus moicanos
Arthur que não estava em meus planos
Mas veio para alegrar meu viver
Então filho, viva a vida !

Mas não te esqueças jamais
Da busca da justa medida

Pois é ela que te ensinará a viver
Ouve os conselhos de teus pais
Que só querem que vivas em paz .
O que te falta ainda viver

 

 



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.