Laço sem nó

lacodecetim


Eu nunca fui do tipo que pressiona,
Sou mais do tipo que recua, que espaça.
Sempre gostei de quem vem, assim, por vontade própria como brisa de uma manhã de inverno;
Ou daqueles que entram só pelo aconchego de saber que lá dentro tem vinho e uma lareira quentinha.
Gosto do querer sincero do carinho que se pede com olhos.
Eu gosto de ser laço, daqueles de cetim feitos sem nó, sabe?
Gosto da leveza, da calma com alma, da intensidade espontânea.
Das portas e janelas abertas, mas com uma coberta macia e quentinha na cama.

  • Autores: lacodecetim
  • Visível: Todos os versos
  • Finalizado: 2 de julho de 2024 08:00
  • Limite: 6 estrofes
  • Convidados: Amigos (usuários da sua lista de amigos podem participar)
  • Categoria: Amor
  • Visualizações: 9
Comentários +

Comentários1

  • Lilian Fátima

    Em questões afetiva sempre melhor nos pautarmos pela delicadeza e nobreza dos atos em agrado ao desejo do outro. Saudações poeticas



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.