Maximiliano Skol

UM CURTO CONTO


Aviso de ausência de Maximiliano Skol
NO

Ele, o Sharmá, se tinha muito em conta da sua autoconfiança. E de fato tinha motivo para  sê-lo assim de autoestima elevada. No entanto, aquele dia  sacudiu-lhe a sua base por um auspicioso futuro. Ele mesmo se estranhou quando, de repente, achou-se em pânico. Sua fé abalada lhe trouxe desconfiança do seu futuro e sentiu-se perdido sem uma visão promissora de futuro qualquer.  Viu-se no término de sua carreira, sem opção por alternativas. Estava tão temeroso que não se deu a dirigir seu carro e chamou um táxi.
Sentou-se à mesa do restaurante 'Cibus & Bar' e solicitou uma dose dupla de Jack Daniels.
O garçom o interpelou: "O senhor Sharmá, desculpe-me  a ousadia, não está exagerando na bebida?"
Ele não deu resposta, apenas indagou do sanitário. O sanitário lhe era conhecido e a pergunta fora de atitude sarcástica.
Lá, no sanitário, ele se estremeceu... Que ousadia tem esse sujeito! Pouco me conhece... Também, era um raciocínio falso. O garçom o servia diariamente, naquele período noturno... Sharmá vinha  sentindo uma angústia inexplicável, uma sensação de morte iminente, que lhe impulsionavam a respirações profundas e frequentes. Essa angústia tinha relação com uma sensação de enchimento circulatório a repercutir vácuo nos pulmões e uma pressão no crânio a pedir alívio. Cada respiração abaixava o diagragna no máximo,  a ver se conseguia expelir a peso craniano. Voltou à mesa do restaurante e solicitou um Filé Mignon ...mal passado. E outra dose de uísque... Do nada, uma suspeita lhe veio à mente e temeu pelo taxista que o trouxe àquele local afastado e com a promessa de que voltaria a buscá-lo às 23:00. Temeu que a euforia demonstrada pelo taxista, durante a corrida, era uma armadilha de amizade traiçoeira. Tomou-se de pânico ainda maior com o receio de que seria assaltado, de volta, por ele. Rápido, antes que o pedido lhe chegasse à mesa, pelo celular chamou outro táxi. Sorrateiramente, fugiu... Um alívio percorreu sua alma...
      E que levem a breca o filé, o uísque  e o acordo instado com o prestimoso taxista.
      No sentido de ainda tornar-se mais fugitivo, decidiu pousar num Hotel. Ali, da cartela de Rivotril  que tinha no bolso ingeriu dois comprimidos, e não chegou a   conscientizar-se de que estava possuído de paranoia alcoólica.  Apenas se viu no fundo do poço... Dormiu em paz...

Clicar no link abaixo, depois clicar em ABRIR para o site Poemas de Maximiliano Skol. https://meuladopoetico.com/todos-os-poemasproprios-2912-1

  • Autor: Maximiliano Skol (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 8 de Dezembro de 2023 13:05
  • Categoria: Conto
  • Visualizações: 8

Comentários2

  • Maria dorta

    A vida nos prega essas peças. E que nunca mais duvides de tua auto valia! Lindo poema em prosa!

    • Maximiliano Skol

      Minha querida Dorta, como é gratificante receber a marca da sua visita!!!
      Que você tenha um alegre final de semana.
      Beijo.

    • Claudio Reis

      Um conto e tanto!

      Que demais!

      Rir é o melhor remédio, não poeta?

      • Maximiliano Skol

        É sim, prezado Claudio Reis. " Um dia sem rir é um dia desperdiçado," falava o Charles Chaplin.
        Gratidão pelo comentário.
        Um abençoado domingo.
        Um forte abraço.



      Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.