Edson Alvez

TEMPO

Ouço ecos do tempo
Calculando momentos
Que ali tantos viveram
Construindo inventos
Se valeram da mente
Com propostas fizeram
Uma certa corrente

Espalharam nas mesas
Confiscaram certezas
Começava então
A engrenagem a rodar
Sujeitando o mundo
A um novo ideal

O barco flutuou
Aportando outros mundos
Nos desértos do mundo
Nascem povos distintos
A filosofia flutuava
Por mentes pensantes

Da nobreza da ideia
Ascenderam impérios
Nascem outros provérbios
Nascem credos e cantos
Movem-se letras no papel
A prensa ditando o saber

As guerras
Calaram o tempo por dias
Nesse tempo, só dolo
E o tempo ali
Como dono dos dias
Na sentença do ir

O homem sábio pensou!
Vendo que a paz era o único meio
Os canhões calaram
O trono do mundo
Passou à evolução
Esta que vê nas vidraças
Carros nobres
Ternos cinza

Ao dinheiro delega-se o crédito
Este que dita normas
Enquanto os credos 
Nutrem conceitos nobres
Há paz no coração do homem
Que planta sonhos
Que compra casas

Nesse meio-tempo
A terra gira
O sol e a lua 
Correm livres pela rua
Há flores nos jardins
O horizonte está aberto

  • Autor: Edson Alvez (Offline Offline)
  • Publicado: 17 de Junho de 2020 09:51
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações:
  • Usuário favorito deste poema:
  • Fração de Tempo.

Comentários4

  • Fração de Tempo

    Um primor este poema!
    Tempo, um dos meus temas preferenciais para viajar em palavras, versos, estrofes, cartas, reflexões...

    • Edson Alvez

      Obrigado!
      Que Deus lhe conceda muita inspiração.
      Grande abraço.

    • Hébron

      Poema muito bonito!
      Abraço

      • Edson Alvez

        Obrigado, amigo!
        Grande abraço.

      • Sidneia Oliveira

        Ah, se não fosse a filosofia em nossa vida, para nós instigar, nos fazer pensar!

        Parabéns Edson!

        • Edson Alvez

          Obrigado!
          Grande abraço.

        • Rosangela Rodrigues de Oliveira

          Lindo Poema. "A filosofia flutuava por mentes pensantes"...

          • Edson Alvez

            Obrigado!
            Grande abraço.



          Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.