Gustavo Cunha

Angústia

Ser o que é, de uma só vez, sê todo.
 
A totalidade dilatada,
 
Busca divisar a alma.
 
Mas contenta-te com os cacos:
 
Tornar-te-ás a inevitável imagem de ti mesmo. Por fim,
 
Abdica-te do logo mais
             
E lembra:
 
Que as estrelas que se erguem no firmamento,
 
Sacrificam a glória inefável da eternidade,
 
Pela brevidade singular do momento.
  • Autor: Gustavo Cunha (Offline Offline)
  • Publicado: 20 de Novembro de 2022 00:01
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações:

Comentários2

  • Lisemarie

    Bom dia!

    Bem linda a mensagem do seu poema.

    Existir e viver em cada momento... sem "logo mais".

    É preciso lembrar das estrelas... sempre!

    Parabéns pelo belo escrito!

  • LEIDE FREITAS

    Belo poema. Até breve!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.