O 'CURADOR DO OLIMPO'

DAN GUSTAVO


Aviso de ausência de DAN GUSTAVO
NO

O amor que se esconde na flor
Elefantes com trombas d'água
O sonho e os pés distantes
Um amor volta a vida que nunca perdera
'Quimerado' como nunca dantes...
novo 'nuovo' num ovo de Colombo pra dar a luz 
ou vir à nosso novo mundo!
A rua calçada com tacos(se fosse minha!)
As máquinas trovejantes relampejantes sob o 'empuxo' de multidões prestativas simpatizantes de qualquer causa, de toda obra...
As máquinas bufantes voadoras eletrizantes, o rei do mar com um lobo a lhe espiar! 
Lobo marinho também quer voar... a cidadela logo ali, tem amor pra cá vamos lá fazer o que der, o que dá! 
É amor paixão, deuses desnudos de borogodó à mostra num museu Louvres pra inglês vê! 
O amor é livre... tá tudo aí pra você, e pega o rabo da estrela, se torne cadente e itinerante indo parar na vila dos rios 
Onde tem elefante de trombas d'águas banhando no amor, que também se vê o inglês, 'vês', vê bate palma e sai! 
Tá tudo aí, o borogodó se fez presente eu vi! 
O amor e até o percevejo que na pradaria não fede ou cheira! 
O pejo dum desconexo ao beirar o 'deixa estar'! 
Distar... ímpar, o exército jônico! 
Um reino apoteótico, hipotético, catastrófico num novo sentido, o que dou e digo que é 'catastrófico de bão'! 
Nem sim nem não... se o amor entra com a paixão! 
E cai do futuro.. de alguma espaçonave, é certo! 
Ah, deixa eu te levar para algumas montanhas, um céu vazio ali, purpurinar novos festejos de carnavais arraiais ao mar... 
que 'abre alas' e Poseidon possa passar! 
O mar aberto e azul por causa do céu, também possa refletir os deuses ou atrair para que desnudos do Louvres posem e também possam com a gente pescar! 
E deixa esses percevejos fazerem o que quiserem a natureza... ah deixa eu te levar pro mar, pro sonho velejar seu beijo, hastear a vela içar bandeira 
conquistar brasilis cantos mil que ainda não vi, ah deixar aquele espaço sideral de estrela lá! 
Querem conspirar o amor anil, as cores se misturam e embelezam, as palavras voam com o seu cabelo... 
tudo tão mil, não em quantidade, do que não se conta, de como é bom e perco a conta e o juízo lá pra trás no oceano Índico 
e se já ultrapassamos galáxias... Deuses no Louvres, deuses nos livre! 
Deuses que louves! 
Precisando de inspiração te uso e tomo emprestado(de todas as formas) da sua vida! 
Te 'gerbellizo' e sou condenado a vagar pelo espaço entre as estrofes num orbital de mim mesmo! 
Você me perdoa, mas não tomo conhecimento! 
O amor não acaba, pega reta, a curva curvilínea de abstração tão rara, mas se pega e cheira! 
Agora não tem medo de mosca varejeira, nada se apodrece, mas se transforma, não se conforme de não ser mais do que isso... 
mais do que a paixão desses velhos homens!

MAIS DE MIM EM:
https://gustavoreymond.blogspot.com/

  • Autor: DAN GUSTAVO (Offline Offline)
  • Publicado: 2 de novembro de 2022 10:17
  • Comentário do autor sobre o poema: Ao xedô de Giselle 'Protugal'
  • Categoria: Surrealista
  • Visualizações: 6

Comentários2

  • Vilmar Donizetti Pereira

    Mais uma das tuas viagens sentimentais e surrealistas maravilhosas... Muito bom e fascinante!... Um abraço, boa noite, bom final de feriado!

    • DAN GUSTAVO

      Obrigadão, Vil irmãozão em letras, por mais essa poética companhia de viagem! Um bom dia e aperte o cinto que hoje tem mais...!rs Obrigado mais uma vez!

    • Ivan

      Belo texto!

      • DAN GUSTAVO

        Obrigadão, Ivan... tenha um ótimo dia e volte sempre!



      Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.