Viglio Schneider

Caminhar de mãos dadas

Me dê a mão

Vou lhe mostrar

Os caminhos por onde andei

E por onde estou a andar.

 

Vem comigo, não se apresse.

Apenas me de a mão,

Que logo a frente lhe ofereço, 

Também meu coração.

 

Num acaso do destino,

Cruzamos o mesmo caminho.

Ali nos encontramos,

E quem sabe, ali seguimos.

 

Se for também seu caminhar,

Não solto da sua mão,

Pois viveremos conscientes,

No sentir do coração.

 



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.