KeySch

Amerelo Mel



Quando o conheceu, era apenas uma menina inocente, de olhos verdes e esbugalhados, um tanto esquisita, com a face encoberta por seus longos cachos desgranhados,  uma franja farta, a qual, lhe proporcionou um breve e carinhoso apelido. Afinal não haveria de ser diferente advindo da figura a qual provavelmente fora sua primeira paixão;

-Se não muito a única.


Sempre que ela cruzava com aqueles olhos miúdos, de cor sem igual, sentia todo seu corpo estremecer, lhe passava uma onde de terror, medo, curiosidade, fogo e densas pontadas de querer.
Ao beija-lo pela primeira vez, o gosto de seu alito a fez perder o chão, uma mistura leve e doce de tabaco e menta, um gosto tão novo, tão único que por toda sua vida jamais esqueceu;

-Tão pouco sentiu igual,o gosto do beijo amarelo mel, o entrelaçar das línguas, fogo ardente de impetuosa brandura.

Foi apenas uma primavera dessa paixão latente e abrasadora, mas foi mais que suficiente, para aquela triste menina estranha, sentir que um dia existiria no mundo um lugar só seu.

  • Autor: KS (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 20 de Junho de 2022 11:31
  • Comentário do autor sobre o poema: Um breve conto, sobre algo que creio eu, que a maioria das pessoas já tenham vivenciado em suas vidas!
  • Categoria: Conto
  • Visualizações: 31

Comentários1

  • Marcos Galvão

    Eta loirinha não fique triste, invista em ti, acredite que há um mundo nobre há ser descoberto, nunca desista!
    bjnhs!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.