Mony

Outra vez

 

Outra vez nao consegui, 
outra vez pensei em desistir
Encantamento de serpentes
 fere e sangra quem se aproxima
Sorriso de mentira, beijos inexistentes

Corpo,
somente amontoado de órgãos
sem serventia,
além dos segundos de prazer 

Choro
Choro sem lágrimas
Por não ter a importância que se queria 
Choro, de tristeza, mágoa

Raiva
Que invade o ser, percorre cada célula onde havia paixão

Vida
Desvalorizada, olhada por fora e sequer sentida como humana

Tristeza
Em ver e a humanidade tão desumana
Tão nada, tão tudo fora do lugar

Fora
Dentro, não há

Vazio
Somente

O que há!

 

 

Por Mony



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.