Isabela Fenix

Lembranças 'dor'



"E de repente, virou uma disputa

De quem era mais frio."

 

Lembranças 'dor' 

 

Quanto tempo meu amor

Lembro-me, como se fosse ontem. 

Parece que foi ontem, quando te vi pela primeira vez.

 

Respiro.

Minha boca está colada na sua.

Respirando teu doce hálito junto ao meu. 

Preciosos momentos, nós tivemos. 

Agora, apenas lembranças. 

Que com o tempo se vão. 

A mente humana é uma maldita peneira. 

Ralo... Se vai... Pelo ralo. 

Como saberíamos que acabariamos assim, cada um para um lado?

 

Um odiando a presença do outro. "Mas sentindo a ausência" 

Tua presença me oprime. 

Tua ausência me entristece. 

Não sei, como lidar com a falta, que tua ausência me faz. 

Nosso amor tão lindo 

Tão lindo 

Como saberíamos que acabariamos assim... Sentidos. 

Corações receptivos foram. 

Agora, corações partidos. 

Fui sua filosofia 

E tu minha melodia 

Como saberíamos? 

Acabou!

 

Eu não consigo acreditar. 

Eu mal consigo te encarar, não sem chorar. 

Esse amor é tão profundo. 

Tão profundo... Eu... não consigo pronunciar teu nome

Meu peito dói 

Lágrimas traiçoeiras caem... Caiam cascatas de lágrimas. 

Meu amor se foi e só a dor, restou.

 

Comentários3

  • Egard Yosefh

    Muito expressivo! Bom.

  • Nelson de Medeiros

    Lembrou-me o poeta que disse " Vai-se uma amor e vem outro na vida de toda a gente, ai que nesta minha vida como tudo é diferente....!"

    • Isabela Fenix

      Obrigada seu comentário foi acolhedor.

    • Isabela Fenix

      Sim, eu escrevo de acordo com meu humor kkk. Obrigada pelo seu comentário gentil.



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.