Mony

Pássaro de fogo

Reencontrando- me no caminho que fazia sozinha há tempos,

derrepente entrou um pássaro azul 

Que destonou parte do que sou 

No início não percebi, tons matis faziam parte daquela retórica que iniciava nova história 

Mas o que era meu, se perdia no ar, ganhava outro ton, outro soar,

Gostava de cantar, ouvir o meu canto, chegar o mais longe que pudesse

Sem nada para abafar, ser quem sou, sem precisar agradar 

Se surgir belo moço será bem vindo os carinhos, que venha para acrescentar, jamais para tirar 

Vôo de uma montanha a outra em busca de vôos maiores 

Sei que as asas estão fortes, só basta acreditar que amanhã será melhor 

O pássaro azul visitou minha vida,

hoje tornei- me pássaro de fogo 

Rápida, sagaz, mais astuta

sem no entanto perder minha feminilidade 

Pássaro de fogo, sensual 

Vôos rasantes e brilhantes como

o fogo

 

 

 

 

 

Por Mony

Comentários1

  • Robson Antonio

    Lindo!
    Parabéns nobre poeta!!

    • Mony

      Grata, pelo carinho.
      Poeta
      Bjo



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.