Thiago R

Lágrimas De Outrora

Ah! Sempre o silêncio a nos visitar,

Na solidão dos prados seguiremos,

A mesma lira calma do luar,

Com as lembranças roxas que colhemos. 

 

Vamos calados, juntos, sem cantar,

Com as tristezas na alma que nós temos,

A veres lento o tempo num olhar,

Nós que os sonhos aqui já os perdemos. 

 

E outra vez, ó vida que me trouxeste 

O cântico das fúnebres auroras,

De alvuras e olores minh'alma veste. 

 

Vós que andais nas tardes enevoadas,

Onde brotam as lágrimas de outrora 

Quando surgem as noites enluaradas...

 

Thiago Rodrigues 



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.