Viglio Schneider

Abrir mão

Do que estou disposto a abrir mão?

De geração em geração colocam em nossas mãos escolhas feitas.
Dizem, "guarde minha escolha e minha visão na palma de sua mão,
será o melhor para você".


A mão se fecha carregando pelo caminho a pesada e intocável
sensação de carregar a razão.

No meio do caminho, escolhas devem de ser feitas, mas se carrego algo que foi me dito,
então, já fiz a escolha, apenas olhando para minha mão.


Padrões que se repetem protegendo ideias e visões, de um mundo que talvez já existiu ou não.
Talvez apenas, pura frustração.

Se você permitir olhar com o tempo o que carrega nas mãos,
verá apenas o pó do que um dia pode ter sido uma mágoa resguardada por alguém.

Abrir mão de quem não se é, é dar a mão a quem você quer ser. 

Carregar, talvez, apenas visões que te foram dadas quando se abriu um sorriso no rosto.
 Para que seja o sorriso, viver constante e lembrança de de abrir mão,
quando escolho dar minha mão aos outros.

Para que os dedos das mãos se entrelacem em união, é preciso que esteja aberta a palma da mão.
Abrir mão é deixar ir o que foi, mas também, sentir no tato o que agora está, para que nada nos defina.

  • Autor: Viglio Schneider (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 11 de Março de 2022 08:23
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações:

Comentários1

  • Maria dorta

    Amei teu poema. É o segundo que leio e te descubro denso,com conteúdo,mexe comigo porque imprevisível. Aplausos!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.