Arlindo Nogueira

O GORJEAR DAS AVES

Os passarinhos cantando

Naquela árvore de cereja

Haviam saídos em bando 

Da torre sínodo da igreja

Era um gorjear tão lindo

Lirismo cheio de beleza

Eu passei horas ouvindo

Qual chilrear da natureza

 

O lindo tino dos pássaros   

Dom que ninguém desata

É harmonia de ecos raros

Tal qual água da cascata

Que no cenário da colina

Desvelam dentro da mata

Vertentes da fonte acima

Que em tela verde retrata

 

Filme de longa metragem

Pássaros voando é a cena

Gorjear é uma linguagem

Como o canto da seriema    

Sons no perau da cascata

Das asas pulsando penas

Fica a água cor de prata

Há ali o grande cinema

 

No sombrear da verde mata

O passarinho tem a guarida

Seja nas rochas da cascata

Que pela água são despidas

Tal qual na árvore de cereja

Que na primavera é florida

Há revoou à torre da igreja

O gorjear das aves dá vida

 



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.