Marcelo Veloso

DIMINUI, MAS, NÃO EXCLUI

O interesse é uma constante,

que não impede e nem alija,

mas, pode causar desafeição ou relutância,

pondo, à prova, o desejo de ter.

E, como o possuir não é lógico,

faz com que a intimidade exija,

um pouco de cautela e relevância,

pra não se deixar escolher.

 

Assim, a vontade diminui,

mas, não exclui o desejo de querer.

Assim, a verdade conclui,

que há sempre um motivo pra se viver.

 

Quando o que se preza não atrai,

aí, o volume reduz ou acaba,

fazendo do aceite uma singular empatia,

dando significado ao persistir.

Assim, no despojar das amiúdes intenções,

não se vê linhas nem abas,

e, no íntimo, restaura-se a autonomia,

de que é bom demais existir.

 

Assim, a pujança diminui,

mas,  não exclui o risco da dor.

Assim, a serenidade constitui,

na melhor expressão do amor.

Comentários1

  • Jucklin Celestino Filho

    Parabéns, Marcelo Veloso! Gosto muito de ler seus textos, sempre bons, bem escritos, trazendo em síntese: ótimas mensagens!
    Boa tarde!

    • Marcelo Veloso

      Jucklin, muito obrigado pela observações generosas. Abraços.



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.