Jessé Ojuara

Tez


Aviso de ausência de Jessé Ojuara
NO


Meu mundo é tão perfeito
Lá não existe miséria
Nele a beleza abunda
Respeito é coisa séria
Renda é distribuída
Sangue preto da Nigéria

Haiti é logo aquí
Na favela, no xadrez
Na casa de preto e pobre
No escárnio, insensatez
Desprezo na educação
Qual a cor da sua tez?

Comentários3

  • Jucklin Celestino Filho

    O mestre do cordel, José Ojuara, nos brinda com um poema irônico, mordaz, escancarando numa ironia de doer e machucar o coração, o retrato infame, cruel, deletério, deste pobre Brasil da fome, do desemprego, da inflação galopante.Um pais da maioria do povo pobre, negros, índios, nortistas e nordetimos, massacrados.Pobre Brasil!

  • Jucklin Celestino Filho

    Esqueci: mais um minúsculo cordel de versos fechados, e concluso com chave de ouro.Parabéns!

  • Jessé Ojuara

    Obrigado amigo Jucklin.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.