Cecilia Merces Vaz Leandro

Mimo

De sentir:
um afago,
um mimo leve,
a gentileza para si...

De ver:
um sorriso,
um rastro reluzente.

Outro mimo,
encandecente...

De ouvir:
um elogio,
um agrado,
um tom, uma voz.
Um mimo sonoro,
em um silêncio
profundo, atroz.

Degustar:
um mimo doce,
um cheiro de infância,
recheio e sabores.

São mimos,
pequenos instantes,
os deleites vividos,
perpetrados.
Os mimos que
nos tornam sãos,
neste caos de existir.

13/12/2021

Comentários2



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.