Marcellus Augusto

No caminho das palavras

Estou de volta, reencontrando-me no caminho

Estive distante, tentando ser algo que não sou

Como quem anda por um caminho e não sabe voltar para casa

Assim estive caminhando por esses meses. 

Nesse tempo, me traí de todas as maneiras

Coloquei algumas máscaras que eu nunca pensei em usar

Interpretei alguns personagens que não teria orgulho de falar  

Entreguei-me aos desejos e paixões 

Fui, por algum tempo, alguém que prometi jamais ser. 

Na verdade, tudo isso é um desejo por algo que não sei

Uma vontade de me unir a algo que não consigo descrever

Como se eu quisesse me unir ao Infinito

Mas não sei como alcançá-lo. 

Algumas vezes me pergunto se é a solidão

Ou um desejo de ser reconhecido

Ou pelo menos de ser visto. 

Talvez eu precise encontrar um amor

Alguém que me ame

Alguém que me queira 

Alguém que me deseja

Alguém que me entenda 

Alguém que possa dizer que estará comigo o tempo inteiro.

A minha alma vive um completo desencontro

Deixei algumas boas pessoas passarem na minha vida

Como um coadjuvante da minha própria história

Eu agi de maneira passiva sem demonstrar qualquer reação.

Tenho a sensação que não sou nada

Que não tenho conquistas, amores, histórias, nem aventuras

É como se a minha vida passasse ano após ano

Enquanto eu continuo o mesmo, imerso na minha subjetividade.   

Assumindo a minha própria mediocridade,

Faço esses pobres versos

Contando as minhas dores, tristezas,

As tristezas de alguém que sofre para dentro

Mas que a vida não lhe fez mal para fora

Confessando os vícios, que são tão vergonhosos

Faltando-me lágrimas e amores

Sobrando-me arrependimentos de algo que não vivi. 

Reencontro-me na arte, que me abraça mesmo com as minhas limitações

Que me entende, ainda que eu mesmo não me entenda

Reencontro-me no caminho da poesia e das palavras

Reconcilio-me comigo mesmo

Para que eu possa ser compreendido.

Guardo a esperança que os meus versos sejam a minha terapia

Que sejam o meu psicólogo, pedagogo e professor

Que por meio deles eu encontre a minha alma 

E que acabe com os meus desencontros interiores. 

Comentários1

  • (ND)

    Você vive, poeta , uma crise existencial, e a poesia pode ser sim... psicólogo, pedagogo e professor... Avante, todos nós somos seres imperfeitos estamos em busca, acertando ou errando. Tenha uma semana de paz!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.