Jucklin Celestino Filho

FOLHAS AO VENTO

Pondera:

Somos quais folhas pendidas

Dos galhos da vida.

Com a invernada, caídas,

Perdidas,

Ao abandono

Rolando ao vento;

Com o sol de verão, aquecidas,

Desabrochando pra vida.

Nascemos, crescemos,

Evoluímos e decaimos

Em algum momento,

Assim como as flores

Que caem no outono

E florescem na primavera!

 
 

Comentários3

  • Elfrans Silva

    Com certeza. O cânon sagrado assim tbm nos resume. Somos como a flor que nasce e se seca ao sol, esse mesmo sol que muito contribui para a sua existência em pouco tempo de vida. Uma coisa ê certa: o Jardineiro é o mesmo. Seu poema nos instiga a usufruir da vida com muita consciência. Abraços fraternos amigo

  • Jucklin Celestino Filho

    Aos colegas do Meu Lado Poético, o agradecimento por participar deste maravilhoso canal, e daqui ter extraído os poemas que foram vencedores na Coletânea de protesto: Não Vão nos Calar.
    Concurso realizado pela Editora Persona.
    Quem quiser adquirir o livro, favor everiguar na PERSONA.
    Bom dia a todos.

  • Edla Marinho

    Verdade, poeta, somos como folhas, nas várias estações.
    Bonito e reflexivo versejar.
    Meu abraço.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.