Gisele Cunha

Saudade da minha Infância


Aviso de ausência de Gisele Cunha
NO

Onde ficavamos horas a brincar
Sem se preocupar em pagar as contas
Ali pude sentir a felicidade
Da inocência que encanta
Não tinha lugar para maldade
Só para brincadeiras com primos e amigos
De subir e ficar sobre os galhos da árvore 
Brincando no quintal sentada no balanço que de alguma forma nós libertava
Podiamos ficar na rua e brincar de esconde, esconde, joga bola, baleado, boneca de vez em quando...
Aprendi a pedalar em uma bicicleta
Lembro que era cor de rosa clara, média
E que não me pertencia
Era de uma amiga de infância
Que compartilhava duas voltas de cada, com os coleguinhas
Sentadas debaixo de um pé de jambo na entrada da rua onde moravam
Que coloria o chão de rosa, e assim elas enxergavam a vida
Sorriam, davam gargalhadas 
Contando histórias inuzitadas, fantasiavam coisas
Mais viviam da simplicidade que lhes cabiam
Gostavam do contato com os mais velhos
E quase sempre iam na casa de dona joana e dona Herminia
Onde as meninas e o único menino da turma ficam a prosear
A primeira senhora era filha de dona Domingas centenária e avó das primas Nina e Amina cúmplices das traquinagens que faziam
Já dona Herminia tinha uma casa bonita no formato antigo
Lembro de cada detalhe desde da entrada com um jardim com flores lindas
Até a parte de dentro com vários móveis antigos
Que elas já gostavam de observar
A senhora morava só, e sua companhia eram de alguns gatos de estimação 
Ainda sinto o cheiro das sobras de arroz doce que ela fazia, e nós dava para comer com uns biscoitos fofos
As vezes não ficava muito bom.
Mas agente para retribuir o afeto
Dizia que estava gostosinho...
Hoje como queria um doce feito com tanto carinho
Ai que saudade de ser criança.

Autora: Gisele Cunha

Comentários3

  • CORASSIS

    Lendo seu texto imaginei também o meu !
    que lindo foi o nosso reinado infantil
    Parabéns , abraço amiga .

    • Gisele Cunha

      Obrigado CORASSIS! A infância é sempre um presente de Deus para nossas vidas né. Amei cada momento de minha infância sempre volto lá e ela mora dentro de mim para sempre.

    • Shmuel

      Que bela narrativa da sua infância. Um texto apaixonante e muito poetico. Parabéns a poeta Gisele Cunha.

      • Gisele Cunha

        Obrigado Shmuel! Na infância retemos parte memorável de nossas vidas. E ali eu pude me encantar com esse mundo mágico e aproveitar cada instante porque o maior de todos os sentimentos o amor sempre esteve presente e eu ainda me sinto lá é muito bom ser criança assim.

      • A Queda

        Poema muito lindo que remete a infancia.
        Abraços

        • Gisele Cunha

          A Queda obrigado (a) pela delicadeza de sentir a infância com carinho.



        Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.