Adriele Bernardi

Para sempre Lily


Aviso de ausência de Adriele Bernardi
NO

Para sempre Lily

 

Ali estava ela, muito mais do que uma menina

suspirando na janela, contemplando uma rosa fina.

Um sorriso oblíquo e distinto, ela iluminava ao redor,

Mesmo vivendo em absinto e respirando o pior.

Seus sonhos foram queimados nas chamas da realidade

Aquela que mata os diferenciados e suprime a felicidade.

Um lugar sombrio nunca foi digno de tê-la em seu recanto.

Aquele olhar vazio nunca representou o verdadeiro pranto.

Ela buscava cores no preto e branco, tentando se segurar

Ia no deserto e buscava flores, apenas para não desmoronar.

A vida pode ser muito cruel e finais felizes não existem,

Não deveria olhar para o céu e acreditar naqueles que resistem.

Resistindo a uma verdade dura, gélida e cortante, sem leito.

Fazendo escura a lua e quente o Sol que iluminava o parapeito.

 

Ali estava ela, agarrando as bordas do seu barco de papel

navegando nela, e se afogando

As estrelas que outrora lhe cantavam, agora estão caladas

A relva vinda da aurora encontra-se apática com folhas geladas.

Nenhum arrepio, nem do sustenido de uma flauta arrebatadora.

somente frio, a estiagem da realidade congelando a alma sonhadora.

Tão sozinha em meio as suas canções, tão esquecida pelas obrigações

Ela sufocou suas artes e aspirações, pois fizeram-na acreditar em rotulações

Rótulos que fazem da arte algo desnecessário e os sonhos estúpidos

Melhor é ralar a pele no calvário em busca de sucessos abruptos.

 

Ali estava ela, dia após dia

Uma menina solitária tentando a alegria

Ninguém lhe segurará quando cair-se-á, ou lhe abraçará

Mas ela tenta se sustentar, se prende ao que criará.

Ela escreve poesia, canções e olha as estrelas a noite

Apenas pelas próprias emoções, aliviando o açoite

Mesmo com lágrimas nos olhos, Lily busca sobreviver

Mergulhando em tintas e sonhos, seu lítio de viver

Uma menina adorável, mas esquecida, um ser invisível

Apesar de toda a sua luz garrida e de sua coragem temível

Ninguém a encoraja, ninguém a fortalece ou lhe acalma

Mas, sem que alguém o fizesse, limpa sua alma.

Ela tenta sozinha, ela por ela, abraçando o mundo inteiro

Porém na calada noturna, só no escuro, sente a dor no peito.

 

Ali estava ela, a flor mais esbelta a florescer

Uma rosa bela, brotinho tentando se esconder

Pois ensinaram-lhe que sua luz de nada valia

Sua inocência nenhum bem lhe proporcionaria.

Seu encanto sufocado poderá ser resgatado algum dia

E, quando este chegar, o paraíso se encherá de muita alegria

Já que ela não desistira de si mesma e tentava resgatar o dela

Em cada alvorecer, inspirava o solar e absorvia a brisa amarela

Então apanhava uma flor no seco jardim e secava as feridas

Sussurrando jurava, para sempre Lily seria, em todas as vidas.

Comentários2

  • umparentese

    Cortou o meu coração haha. Acho que esse conto roubou todas as minhas palavras. Simplesmente perfeito!

    • Adriele Bernardi

      haha cortou o meu tbm. Muito obrigada pelo comentário Luke.

    • Sonia Rodrih

      Bravo, Adriele!
      Exemplo para os querem desistir de si mesmos... coragem!
      Abraço!

      • Adriele Bernardi

        Muito obrigada Sonia:) Agradeço muito por ter lido 🙂



      Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.