Paulo Roberto Varuzza

Louvação ao amor


Aviso de ausência de Paulo Roberto Varuzza
NO

Eu canto o encanto do amor,

Porque ele nasceu num canto de meu coração

Como uma pequena flor selvagem

De cor vermelho sangue

E que era uma trepadeira

E que enredou todo o meu ser,

Mas morreu com o sal ao ser regada

Com as minhas lágrimas

Quando meus olhos viram que ela não me amava;

Mas o pé de flor de cor vermelha

Deixou a vida latente em uma semente

Que caiu na terra daquele canto,

Que foi lavada pela chuva

E germinou,

E cresceu,

E floresceu,

Dando muitas flores,

Para agradar os amores

Que vinham cheirar o perfume das flores,

Mas um deles

Mudou-se para o quarto em meu coração

Abandonado por ela,

Que partiu para não mais voltar,

Mas deixou a janela aberta

Para o vento trazer o perfume das flores

E uma pequena flor foi trazida por ele,

E enfeitou o quarto ocupado por um amor

Que floresceu como o pé de flores,

Que, mesmo golpeado pela saudade,

Resistiu

E não morreu,

E continua a dar flores.

Com suas raízes bem fincadas

Naquele canto encantado

Do meu coração.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.