Marçal de Oliveira Huoya

Busca

Vivia flertando

Com o precipício

Desde o princípio

Nunca acreditou

Que a sua busca acabara

Tanto tempo se passara

Fizera tanto sacrifício

Que encontrar o amor

Era para ser tão difícil

E então encontrou

Mas como?

Alguma coisa estava errada

Ele sempre dizia

Eu te amo

E ela continuava inconformada

Achava que não merecia

Mantendo a alma fechada

Recusava ajuda

Se abrigava na poesia

Conversando com Neruda

Todo dia uma prova

Buscando uma contradição

Sempre e sempre

Sempre a mesma questão

As vezes uma pergunta nova

Mesmo ouvindo o que gosta

Não conseguia uma boa resposta

Que lhe desse satisfação

Em busca da resposta perfeita

Não encontrará a receita

Nem descobrirá solução

Pois nunca estará satisfeita

Até se reencontrar com a solidão...

Comentários1



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.