lucita

No Guincho

Então ele (o carro) nos levou.

E nós, acreditávamos que ele estava bem.

E num "colapso" ele parou...

E ainda não se sabia bem;

Mas já havia um sutil ruído diferente

Que o motorista relatou como algo pouco importante.

No acostamento, capô aberto Uma correia dentada se partiu.

Chamado o guincho ele subiu.

Manivelados os cabos, nele atados.

Não hesitei, quis vir ali em cima

Eu e minha menina vimos ele sem seu guia dentro,

Como se um anjo estivesse  a ele movendo...

 

Domingo, 24 de janeiro de 2021

Comentários4

  • Shmuel

    Virou poesia, cara poeta. Imagino a cena e alegria após a chegada.
    Abraços!

  • Edla Marinho

    Ao poeta tudo é inspiração.
    Ficou muito legal.
    Parabéns, Lucita!

  • lucita

    Agradeço amigos.
    Ando inspirada apesar dos percalços.
    Será que Drummond ficavaassim com aquela " pedra" que havia no meio do caminho dele? Reflito...
    Boa noite.

  • Ernane Bernardo

    Olha aí! Deu poesia, poderia ter vivido um “stress”, mas deu lugar a essa magnifica poesia. Parabéns Lucita pela maestria, um forte abraço

    • lucita

      Fico muito feliz com as reações que causo.
      Obrigada!



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.