Maximiliano Skol

SEQUIDÂO

Chorar sentidas lágrimas não posso, 

Desesperar: pior neste momento,

Pois lágrimas só trazem alvoroço, 

Não iria compensar o meu tormento.

 

Uma tristeza vem com o seu poço,

Onde se isola a alma e sem alento 

De uma felicidade, quando o nosso 

Destino não altera o seu evento.

 

Lá fora, em revoada, que aleatória

De alegria, os pássaros se cruzam

Comemorando a chuva em sua glória,

 

E com trovões, relâmpagos, regou

A sequidão da terra aos que a usam,

Mas a minh’ alma seca ainda ficou.

Tangará, 10/10/2019

Comentários2

  • Dr. Francisco Mello

    Baita soneto, como sempre. Não há de ser nada, xiru. Tudo passa. Logo estarás irrigado, inundado por muitas alegrias.
    Mande-me teu sap, que te enviarei
    uns dizeres de gurias gaúchas os quais te fará sorrir um eito rss.
    66996892292. Baita abraço, compadre velho.

  • Maximiliano Skol

    Olá, meu prezado Francisco, essa tristeza foi em 2019, Já passou: você previu, Ah! se esse ZAP existisse nos meus tempos!! Que beleza têm as gurias gaúchas! E como são inteligentes! Fico feliz pela sua comunicação plena de ânimo e espirituosa,. própria do seu caráter.
    Também, meu doutor, a poesia é permissiva.
    Gostaria de lhe responder em gauchês, mas só consigo dizer:
    Um baita quebra costelas.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.