Helder Duarte

O Eterno Rei

O meu coração ferve com um nobre tema,
enquanto recito os meus versos ao rei, em poema.
A minha língua é a pena de um destro escritor.
Tu és o mais formoso, dos filhos dos homens em amor.


Os teus lábios foram ungidos, com muita graça,
por isso Deus te abençoou, para sempre...
Cinge a tua espada à coxa, ó valente...
Cinge-te de glória, e majestade, que a outro não passa.


Nessa, majestade cavalga pela causa da verdade,
da retidão, da tua grande humildade e serenidade,
à tua dextra, mostra coisas terriveis, nobre cavaleiro.


Os teus dardos são agudos no coração de todos os reis.
Tu ó rei, com os teus dardos, fazes cair os povos e as suas leis.
O teu trono ó Deus, é eterno e perpétuo, tu és de todos o primeiro!

Comentários1



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.