Romárico Selva

Desespero.

Ó maléfica existência

Conseguiste me enganar novamente

Me fizeste agir pela consciência 

Que troca coração por mente.

 

Ó amaldiçoada semente

Rasgaste minhas entranhas

Tua cruel verdade mente, mente

E tua lógica pra mim é estranha.

 

Apunhalaste a incerteza em meu peito

Me fizeste agir como um ancião sem leito

E todo meu amor arrancaste por este corte.

 

Não me estendeste a mão quando eu precisava

E pude ver enquanto rias e eu chorava

Que a única certeza da vida é a morte.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.