Helio Valim

Cortesã rejeitada

 

Celeste encantada,

tão vibrante.

Em versos, declamada.

És a divina amante.

 

Dos enamorados

és intensidade.

Dos poetas

a imortalidade.

 

És inspiração

para os delirantes

e para os incautos

confidentes.

 

Dedicada cortesã.

Não cansa de cortejar

tua dama pagã

em eterno bailar.

 

Segredos resguardas,

Cumplice dessa amada

que ainda desejas.

Apesar de tão rejeitada.

 

Te vestes de brilho,

para iluminar lhe as noites,

buscando alguma atenção,

que console tua paixão.

 

Mas essa conturbada relação,

eivada de preconceito,

torna cada mostra de sedução

um novo, eterno, tormento.

Comentários3

  • Hébron

    Uma leitura que desliza suave pelos versos, uma poesia em cascata de inspiração... Te vestes de brilho, poeta! Muito bom de se ler!
    Abraço

    • Helio Valim

      Obrigado Hébron. Seu comentário, como sempre, muito inspirado e inspirador. Um abraço.

    • Ernane Bernardo

      Belo poema poeta Helio Valim, versos bailado, gostei!
      "...Te vestes de brilho,
      para iluminar lhe as noites,
      buscando alguma atenção,
      que console tua paixão..." Abraço

      • Helio Valim

        Obrigado Ernane. Comentário muito gentil. Fico feliz por você ter gostado do bailar das eternas amantes. Um abraço.

      • Roberto Pacheco

        Prezado Hélio!
        Belo poema. Profundo, nos levando a recitar os versos em voz alta para mergulhar no seu imaginário...
        Forte abraço
        Roberto

        • Helio Valim

          Roberto, obrigado pelo comentário super amistoso e pelo prazer de saber que o poema foi recitado em voz alta. Um grande abraço.



        Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.