R.Capuano

Um escarro na vidraça

Um penico sob a cama,uma tosse produtiva, um escarro mal direcionado escorrendo na vidraça.

Maria traz o meu xarope, aquele com mel e agrião...desgraça essa tosse não passa.

É noturna, parece castigo, não me deixa dormir... velho não deveria existir.

O catarro não solta do peito, está bloqueando as vias aéreas,vou escarrar, dessa vez vou acertar... Maria você não abriu a vidraça! outra vez não acertei.

Quantas vezes errei,o vidro está embaçado, não consigo ver o outono chegar, acho que estamos no inverno...esperar pelo verão para a chuva lavar? vou mudar a cama de lugar.

Maria vem me ajudar... preciso deitar.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.