santidarko

Aranhas que tecem dualidades em meus pensamentos

 

 

No ondulatório das considerações sob fendas,
certezas,hão de quebrar agora,em junções e em suas pretéritas emendas.
A limpidez de meu sacrário,fora empoeirado,
com o eterizar do questionar em passos,de um surgido missionário.
A Alma guardada,se apegara, em nova manifestação recém-aclarada.


Em Universos Paralelos,
aonde cabem,os como eu;... singelos?
Serias, uma Divina brincadeira,...de um Poderoso com seus Castelos?
Por que surgistes, essa nova aranha em minha mente?
Serias apenas,divagações de um outro e oferecido consciente?


Tece sua teia...;
cada vez em meu imaginar,
algo a mais,se candeia.
Serpenteia a possibilidade.
Permitida dualidade.

 



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.