ajoy

Um grito em meu peito.


Meu peito apertou
Quando meu pai olhou nos meus olhos
e disse seja feliz março a data e horário.
Tô saindo de casa, mas tenho medo que o desejo dele não se torne realidade.
Está misturado vários sentimentos e receio que o seu desejo não se torne real.
Vivo de aparência de uma felicidade incompleta aonde a única coisa que preciso é de carinho e um carinho que não tenho,um gesto doce e sincero.
Aonde ser gentil custa muito ,ou não sou merecedora disso,na verdade não sou boa o bastante,
Vontade de gritar correr fugir ,pra um abraço que não tenho.
Não sei se vou suportar viver desse jeito,sem amor sem carinho parece que tô sozinha e que vou ficar sozinha.
Dúvidas do meu peito que espero ter respostas.


"Não gosto de gritar não!
Ou tenho condições de fazer ou nada faço!
Na minha vida sempre foi assim...
Ou faço ou não faço!
Gritar para que?
Se todos tem obrigações, de suas Tarefas fazer!
Cabendo a cada um, respeitar o espaço do outro...
Ajudando se puder a quem precisa...
Cuidando de sua vida a viver e Sobreviver"
PAZ E BEM


Um dia fui filha, hoje sou mãe.
Assim a vida vai se traduzindo
Nesse afã de reter, o que um dia se esvai,
Importa atravessar quase sempre sorrindo.
Uma vez que tristeza não redime, mal atrai
No suco dos limões que da vida vou colhendo
Boto gelo, açúcar e sigo bebendo!


Um grito as vezes não é apenas um grito,
Espressa algo replimido,
As vezes sem explicação,
Pode ser um bom dia não respondido,
Um suco feito com todo amor e carinho,
Que de tão azedo parece só limão espremido,
Vamos gritar se libertar
Viver e apreciar
A VIDA

Comentários1

  • lucita

    Bravo poetas!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.