santidarko

Insânias douras em meia-luz

 

 


Quando a noite silencia o dia com sua escuridão,
prateado em névoa,reluz meu coração.
O fulvo e o lirial,refranjam minhas encobertas cortesias;
Insanidades,ao brincar na borda de um profundo poço de heresias.
Com lubricidades,em um esboço sorriso de canto bucal,narro as paredes com um olhar visceral.

 

Plangem,em comprometidas sinestesias,
 as composições e suas avarias.


O friccionar das mãos,criam ritos de penumbra;
tênebra lumbra ,coroadas de encantos.
Em velas ás feras,
para uma solidão em recantos.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.