JUCKLIN CELESTINO FILHO

DALILA

- Cindira, tudo faria: Seria santo,

Se tu fosses anjo!

Mas  não.Me enganara tanto!

Eras crudelissimo arcanjo!

 

Como fora louco! A brisa errante,

Quis ganhar um beijo da viração,

O simum dardejante,

Crestou-me os sonhos - perdição!

 

Buscava luzes, simples mariposa,

Ceguei-me entretanto,

Na luz de um falso astro, que repousa,

Na mentira, no ludibrio de encanto!

 

Como me enganei!Não eras anjo!

Eras Dalila, a me  falsear,

E eu, aquele que tocava o banjo

Da inocência, ao em ti, acreditar!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.