Victor Severo

Apostasia

São eles que com suas “fezes”.

Transformam nossas vidas em um inferno.

Foram sempre eles, a mando de quem.

Sabemos muito bem.

Que sempre detiveram o poder.

E não é o diabo, nisso eu posso crer.

Não é mesmo, posso apostar minha alma.

Tolos em suas trincheiras

Ladinos em suas latrinas.

Lobos famintos esperam as ovelhas preguiçosas.

Um surto de fé.

A preguiça, a má vontade.

Orem por mim, peçam por mim.

Recebam em meu nome.

A cobiça, a vaidade.

Dementes e crentes.

Cretinos em suas oficinas

Do púlpito brada um lobo nervoso.

De súbito, curou-se mais um leproso.

Adoração, combustão de enganos.

Um feche de luz banha o rebanho.

Mais um milagre precário.

Um surto de fé.

A preguiça, a má vontade.

Orem por mim, peçam por mim.

Recebam em meu nome.

A luxúria, a santidade.

À procura do lobo

Bale o ordinário.

Inquilino acorrentado no porão do sicário.

Salve-se se puder

Sem jamais perder a fé.

 



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.