santidarko

KárnivØ



Nos mostram,uma mesa longa e farta.

Então...,dizem a nós,que devemos jejuar em agradecimento ao porvir.
Ao cansarmos de estarmos em pé,em frente á mesa,nos oferecem chá com bolachas.
A travessa,demonstra-se de prata;como um requinte da Realeza.
As cadeiras são antigas e confortáveis.
Da cabeceira da mesa,ouvimos:

-Que somos dignos,mas ainda,devemos esperar,...mesmo perante á fome e diante á comida assentada aos nossos olhos.

O Chá e as bolachas,devem ser agraciadas.
Como lacaios eufóricos e agradecidos,diremos uns aos outros,que eles disseram agora:-ter sorvete.
Mesmo que as juntas dos dedos dos pés e das mãos estejam calejados,ainda deveremos manter-se em pé e focados em uma nova expectativa.

AFINAL,agora....

Eles têm sorvete!.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.