santidarko

Deixem os Anjos brincarem na terra do Limbo


(O céu,tem aroma de groselha e de desinfetante)

 



Assim como o dia,os pensamentos,também foram brumosos.
Tímidos.
Silenciosos.
Um pouco amedrontados.
Malversei momentos, dos quais,jamais voltarão,
...em comparativa á idade de meu corpo e á "devoção lá fora;ofertada.


Oferecida talvez:por"caminhos abertos".
Oportunos.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Assumo,que eu tenha ficado em casa,"plantando Maldades"em meus lindos vasinhos;...que ficarão á mostra em minha "pequena varanda".
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fui ao espelho e, olhei para minha Alma.;para meu corpo.
Havia..., tanto tédio refletido por ele.
Mesmo,ás três da manhã!.
Tanta mundanidade em débito para comigo mesmo.


Fui criado com o dizer:"-Que a noite,é para se dormir!."
Mas...,não vejo,tal ensinamento,como uma verdade absoluta.
A meu ver...,O sol, fora feito para "alguns de nós",nos escondermos.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Uma boa caminhada á noite,com calma...,observando o ao meu redor,...porventura,
possa me trazer,"sonhos umedecidos".
Um descanso velado.
Deixarei os problemas cáusticos,em uma árvore qualquer da rua.
Pelo menos,hoje.
Ou quem sabe,amanhã,ainda os deixe lá; um pouco mais.
Quietos...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sabe aquela Hora?...

Onde os Fantasmas passeiam...,os pesadelos nos visitam e,do qual nós acordamos?

No impróspero,confessado pelo relógio...,


Despertei-me.
Já parou e realmente pensou:-Que,quando dormimos,estão ocorrendo acontecimentos cruciais"á nossa volta"?
E ás vezes...,eles nos chamam!.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Ás fadigas do viver,tenho me proporcionado a ficar sob os escombros do silêncio


Confissões das quais,saliento a discutir comigo mesmo,apenas na escuridão de meu quarto.
Ao espelho,jamais...,lhe darei a retórica.
NÃO MESMO.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


O Abrupto pensamento,que mastiga o discernimento da razão e do costume social regrado...;
o quão displicente,podem ser os desejos?.


Nascera,em uma mente geneticamente corroída ou...,em um caminho percorrido ou admirado?
Todos nós,precisamos de estímulos sexuais ou musas,...das quais,nunca testemunharemos sua pele.
Mas,seu tocar em" sonhos exaustivamente pensados",... simulados por nossa própria pele,um simulacro...,

nos alenta,
de nossa mente,

...que ilude nosso ocular;com apetites inverossímeis á realidade.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.