Marcos Valerio de Souza

PORCELANA

 PORCELANA

 

O teu coração é de porcelana!

Ingrato, cruel,

Tragado de fel

Feriu quem te ama.

 

O teu coração é de porcelana!

Antes fosse de seda

Do que a lavareda

Que em meu peito inflama.

 

O teu coração é de porcelana!

É oco, vazio,

Igual peixe sem rio

Ou núpcias sem cama.

 

O teu coração é de porcelana!

É caco da história

E a própria escória

Nodoa sua fama.

 

O teu coração é de porcelana!

Tão gélido, tão frágil,

Quebrantou-se tão fácil

Causando esse drama.

 

O teu coração é de porcelana!

Deixou-me em agruras

Bramindo às alturas

Que não mais me ama.

 

          MARCOS VALÉRIO DE SOUZA

 

 

 

 


Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.