Marcos Valerio de Souza

CUPIDO

 

        CUPIDO

 

Anunciem nos tablóides,

Murais, saraus

E em todos os noticiosos madrigais

Que dentro deste opíparo coração

Reina impoluta

- E que eterna seja -

A alegria de te amar assaz.

 

Bradam a todos aturdidamente

Que o meu grito é voejo da alma

Pelo cupido flechada

Com ternura tenaz.

Um a um vão alardeando

Que esta chama que se abrasa,

Com certeza, são as asas

Do amor infinito

Por ti que me apraz.

 

           Marcos Valério de Souza

 

 

 

 

 

 


Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.