Harpyja

A luz que vaga

Não temo, nem teimo.

Me basta ser simples.

O excesso não satisfaz porquê nada existe realmente.

No mais, sou como um vagalume:

Pequena e irrelevante, irradiando

minha luz sobre a face da Terra.

Terna e paciente

observando passos pro caos,

Ou pro cume.

Pequenos e irrelevantes, todos

Ah! se eles soubessem ver a sua própria luz...

Comentários1

  • lucita

    Causa pensares!
    Não pesares, mas PENSARES...



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.