Marçal de Oliveira Huoya

Pintura

Saltimbanco,
Vagabundo,
Preto no branco,
Segue querendo conhecer o mundo,
Buscando a beleza,
Onde ela vive e mora,
Chegando, ficando e indo embora,
Com alegria ou tristeza,
Vivendo o aqui e o agora,
Seguindo a correnteza,
Dormindo em outras camas,
Comendo em muitas mesas,
Paleta, cavalete e pincel,
Sem noção de tempo sequer,
Parando em um campo qualquer,
Cheirando a terra, olhando o céu,
Pintando a alma de uma mulher,
A grama verde, a terra roxa,
Seios fartos e belas coxas,
Grandes lábios, beijos quentes,
Não existe cor suficiente,
Para pintar o que ela sente,
O mundo todo em um corpo só,
E quando tudo acabar finalmente,
E se um dia eu for virar pó,
Não quero velas, nem quero flores,
Quero lá, as mais belas cores,
De tudo que já colori,
E que não faltem todos os meus amores,
Os que amei, os que sonhei
E os que eu vivi...

Comentários1

  • Donzela do Gelo

    ... E que não faltem todos os meus amores...

    Que lindo, Poema!
    Quantas sensações me trazem.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.