Marcos Valerio de Souza

SONETO DE PROSPERIDADE

  SONETO DE PROSPERIDADE

 

Doei um sorriso, me enviaram alegria

Semeei temperança, a brandura colhi,

Ao espalhar a lhaneza, afagos reuni

Investindo em mesura, tresdobrou simpatia.

 

Quando ósculos dissipei, a amizade assomou

Foi flertando o silêncio que a leveza atraí,

Contemplando a beleza, o prodígio senti

Compunção externei, e a clemência jorrou.

 

Fustigando a virtude, vi eclodir a nobreza

Arvorou a paciência ao regar sobriedade,

Despojei do orgulho, vestiram-me de singeleza

 

Ao perquirir a hombridade, descobri seu valor.

Me aprisionando a ti, conquistei liberdade

Foi saindo de mim que encontrei o amor!

 

                                   MARCOS VALÉRIO DE SOUZA

 

 


Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.