marcia danieli alves de souza

A noite de Márcia




Desalegre, era como tudo parecia.
Difícil adivinhar ao certo.
Menos ainda poderia arriscar as razões da talvez desalegria.
Tremulava um vestido de cambraia bordado sobre o corpo e isso me permitia diagrama-la. Meus olhos em fios de sabre estilhaçaram as roupas.
Absolvi apenas as anáguas porque não eram exatamente anáguas. Eram grinaldas que ela carregava um pouco abaixo da cintura.
Farejei o perfume das sílabas inventadas por meu faro e, sem que ela percebesse, a escravizei.
Reduzi sua liberdade a meus braços e meus desejos.
Tudo em silêncio.
Depois toquei suas mãos e me pus dentro delas com lábios pontiagudos.
Sem tréguas, surgi em seus ombros descalços e
os devorava
e os polia,
os devorava
e os polia,
os devorava
e os polia.
Amá-la, me restituía à vida. Assim, consciente do dever de viver e de amar, tatuei cada pétala de grinalda com meu glacê
Preamar
Maré alta
Maré baixa
Maré alta
Maré baixa
Maré alta
Ali desenhamos o nosso próprio evangelho.
Desfiamos um terço celeste em orações gemidas em hábeis línguas.
Nenhuma cerimônia mais:
Só uma missa
Só um único testamento.
Amém.


"O verdadeiro Amor é Si Cuidar e Cuidar
Fora disso, não é Amar!
Por isso é melhor cuidados tomar
Para os desejos ao matar...
Não Si prejudicar, pela forma de Amar"



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.