joaquim cesario de mello

A ESTRADA DOS TIJOLOS NÃO AMARELOS

 

Vim de ontem

e dele trago seus minutos

entranhados no interior mais íntimo

das minhas membranas plasmáticas

 

Embora tenha trocado de roupa

tomado banho e lavado o rosto

aquele ontem de onde cheguei

sigo do mesmo jeito que lá deixei

 

Sou um ontem ressuscitado

renascido, revivido e reanimado

pois todo depois traz em si

seu antes em que foi gerado

 

O ontem é o berço do hoje

em que aqui o pregresso é lembrado

afinal se não me houvesse passado

meus pecados seriam inconfessados

 

Quem me designa quem sou

é o ontem que me estruturou

assim como hoje será meu ontem

ontem foi o hoje que o calendário dispensou

 

Não sei quantos ontens serão necessários

para chegar no amanhã em que não estou

mas quando lá de um ontem chegar

ainda irei de mim querer me lembrar

 

  • Autor: joaquim cesario de mello (Offline Offline)
  • Publicado: 4 de Abril de 2024 07:44
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações: 4


Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.