LF Text

Meu silêncio

Podemos ser o que nós quisermos?
Então deixe-me ser um sino de ventos
Quando o mundo soprar, haverá barulhos pequenos
Meu silêncio, eu deixei o mar para navegar na terra e ainda sim...me sinto submerso

Nuvens pairam em todos os lugares
Em copos de vidro que refletem
Não há café, muito menos chá
Só há água que cai, em meu rosto se desfaz

Silêncio, querem que você faça
É assustador não poder ouvir, muito menos falar
Esses olhos, que vejo e desvejo, vi o que não queria ver, senti o que não deveria sentir
Sou uma luneta, sou um binóculos, apenas observo, nada faço

Farol da noite, mar de encostas, montanhas e superfícies
Eu estive aqui, rogando e desejando preces
Para alguém lá de cima de ouvir, o calvário foi o único lugar que se fez
Então, me deixe ser seu sino de ventos, para eu tocar para você dormir

Em dias que a sua palavra não fizer efeito
Quando suas promessas forem quebradas
Haverá meu silêncio, para lhe consolar... então que seja o que for para ser...

  • Autor: Lucas F. (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 11 de Fevereiro de 2024 16:57
  • Categoria: Reflexão
  • Visualizações: 10


Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.