ERALDO

UTÓPICA.

Vivi no meio dos pobres que comiam o que tinham conseguido. Também vivi no meio dos ricos miseráveis que comiam reclamando do que comiam.

Eraldo silva.

  • Autor: Eraldo sousa Silva. (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 22 de Julho de 2023 23:24
  • Categoria: Conto
  • Visualizações: 10

Comentários2

  • Mariany A.N Dutra (Melancolia 2)

    É amigo.. são perspectivas e valores diferentes em um mundo que deveria ser igual para todos. Enquanto uns lutam para sobreviver, outros reclamam da "boa" vida que tem! Mas uma coisa eu carrego comigo... Creio em Deus sabe.. e aquele provérbio bíblico que diz:

    "O coração do inteligente busca o conhecimento; mas a boca dos tolos se apascenta de estultícia.
    Todos os dias do aflito são maus; mas o coração contente tem um banquete contínuo.
    Melhor é o pouco com o temor do Senhor, do que um grande tesouro, e com ele a inquietação.
    Melhor é um prato de hortaliça, onde há amor, do que o boi gordo, e com ele o ódio.
    O homem iracundo suscita contendas; mas o longânimo apazigua a luta".
    (Provérbios, 15: 14-18)

    Busco praticar a gratidão... que Sejamos gratos a Deus em todas as circunstâncias, nos dias bons e nos dias maus!

    Abraço... E parabéns pela poesia.. contém uma mensagem muito forte sobre a desigualdade social que é uma infeliz realidade até hoje!

    • ERALDO

      Obrigada amiga pelas belas palavras, pelo comentário, precisamos ter esse olhar crítico sobre as coisas, mesmo amei os provérbios seja sempre bem vinda nesse cantinho poético da gente.

    • Maria dorta

      Teu poema quase um provérbio diz muito com poucas palavras e mostra a indigna divisão de classes provocada pela ganância dos que já têm muito...e ainda reclamam. Até quando? Aplausos!

      • ERALDO

        Obrigada poeta pelo comentário bom seria se todos entendesse o que o poeta tentar dizer em poucas palavras, a vida e uma UTÓPICA quem tem de sobra reclamar do que não tem, mais quem não tem agradece pelo o que consegui.
        Um ótimo domingo
        Abraços.



      Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.