Pano de Remendar

Jose Kappel

 

Às vezes

você me pede

que eu faço,

eu cumpro,

palavra de gente grande,

eu devo, mas faço,

mas, somente às vezes.

 

Às vezes puxo por

você em meus sonhos,

faço deles pirâmides

de fogos de amor.

 

Um fogaréu gigante,

tamanho do céu!

 

Às vezes sou comedido

e retrátil. Mas, às vezes

sou galante e uso o

portátil de suas mãos!

 

Mas não sou

igual a outros

que, às vezes,

se vestem para o baile

da vida e vão dançar

às vezes,

com a prima

da prima que

às vezes,é sobrinha

de seu amor.

 

Normalmente,só

às vezes rezo

esta canção sem tema.

 

Às vezes sou pano de remendar,

e, por isso, entro por uma porta

e saio por outra

porque às vezes a mulher

não vive tão só, tão só...

de um único amor!

 

Não sei,

às vezes,dizem

elas,

quem dançou o fado

também não é de aço!

 

 

  • Autor: Jose Kappel (Offline Offline)
  • Publicado: 8 de maio de 2023 12:58
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações: 11

Comentários1

  • LEIDE FREITAS

    Gostei. A vida é feito de "às vezes".

    Boa tarde e até breve!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.