JOHNNY11

Dona da zona



Não acredites em tudo o que ouves
Nem tudo são flores, nem tudo são rosas
Acredita em mim, é mais seguro manter de baixo de olho, a bófia
E porquê? Porque quem foge da bófia se dá mal, sofre horrores
Cadeia, desencadeia a ideia de que vais ficar preso a vida inteira
Calma aí, eu tenho o meu álibi eu só ainda não o exibi
Estou a guardar o melhor para o fim
Só vais saber quando eu disser
E quando disser vais mandar parar o chofer
E me deixar entrar mais a tua mulher
Até já, vou brincar, vale trincar
Mastigar, tudo o que eu quiser
Estou a gostar, tratamento vip
Ao som de calema e zé Filipe
Onde anda essa mulher?
Anda nas mãos de quem a quer
De quem a põe a viver na street
 
Livre, livre, ela é um pássaro livre
Livre, livre, ela é um pássaro livre
Livre livre, quando abro as mãos
A solto, tão soltinha, não há quem a decifre
Livre, livre, ela é um pássaro livre
Tanto participa no crime
Como depois não quer que ninguém a incrimine
Se é para ser soltinha que seja mas não me arruíne
 
O que dizem por aí é muito
Mas o que se vê é pouco
Vê-se insulto gratuito
Um racista que me pega no soco
Que mundo louco
Este que não anda, está parado no tempo
Então bora pô-lo a girar
E como? com a ponta do dedo
Vai ser sempre a bombar
Bófia tá girar na zona
Mas ela já tem dona
 
Livre, livre, ela é um pássaro livre
Livre, livre, ela é um pássaro livre
Livre livre, quando abro as mãos
A solto, tão soltinha, não há quem a decifre
Livre, livre, ela é um pássaro livre
Tanto participa no crime
Como depois não quer que ninguém a incrimine
Se é para ser soltinha que seja mas não me arruíne
 
Não me peças para aceitar o convite
Meus ouvidos tem esferovite
Dejo-te bom apetite
Mas já te disse
Não me peças para ficarmos quites
Eu tenho os meus bifes
Não quero estar envolvido nos teus please
Fica no teu canto, a fazer um brinde
Ao meu sucesso e afins
Se o fizeres eu vou ser o gajo mais feliz
Que pode haver nessa street
Tu já sabes, o que vem debaixo não me atinge
Para mim o céu é o limite
Tu és só mais um tapete vermelho debaixo da minha limusine
És só mais um com sede de vingança no meu time
Aquela poça de sangue que tu não perdoas é a mesma que me aflige
Não estou fixe mas que se lixe
Perdi a minha bitch mas tenho um novo fetiche
Um fetiche pela preguicite 
Hoje só me apetece gritar, este sou eu, crise? que crise?
 
Livre, livre, ela é um pássaro livre
Tanto participa no crime
Como depois não quer que ninguém a incrimine
Se é para ser soltinha que seja mas não me arruíne
 
Livre, livre, ela é um pássaro livre
Livre, livre, ela é um pássaro livre
Livre livre, quando abro as mãos
A solto, tão soltinha, não há quem a decifre
Livre, livre, ela é um pássaro livre
Tanto participa no crime
Como depois não quer que ninguém a incrimine
Se é para ser soltinha que seja mas não me arruíne
Livre, livre, ela é um pássaro livre
Tanto participa no crime
Como depois não quer que ninguém a incrimine
Se é para ser soltinha que seja mas não me arruíne
  • Autor: JOHNNY11 (Offline Offline)
  • Publicado: 24 de Janeiro de 2023 11:06
  • Categoria: ErĂ³tico
  • Visualizações:


Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.