Folhas

Joicy

E quando não restarem mais fotos ou presentes

Quando a música for ausente

Quando o corpo não estiver presente

Ainda restará a memória

A lembrança do dia de chuva 

da noite clara e do dia escuro.

 

Quando não restarem mais desculpas

restarão ainda os dias passados

sonhos claros e estilhaçados

como folhas ao vento

páginas viradas.

 

Restarão as palavras ditas,

o toque,

o rosto pálido,

memórias de coisas vividas,

restarão olhos secos e lágrimas derramadas;

 

Porque no fim de tudo só pode restar

você e eu.

Você e eu.

Duas almas ligadas,

ainda que separadas por todo o espaço.

  • Autor: J. Persio (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 8 de novembro de 2022 20:57
  • Comentário do autor sobre o poema: 05 de novembro de 2022.
  • Categoria: Amor
  • Visualizações: 16
  • Usuário favorito deste poema: Edla Marinho.

Comentários2

  • Edla Marinho

    Muito bom!
    Aplausos mil pelo lindo poema.
    Meu abraço!

  • PB Almeida

    Muito bonito. Abraços!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.